Sou normal, gordinha é você!

Publicado: 2012/08/29 em Interessante, Questionamentos

Foi-se o tempo em que formas arredondadas eram consideradas belas no mundo ocidental, sinal de saúde e acesso a comida suficiente. Jornais, revistas e televisão hoje nos ensinam que para ser modelo de beleza é preciso ser esquelética ou no mínimo magérrima, com os ossos da bacia à mostra.

Qualquer que seja a razão da mudança no padrão de beleza (eu suspeito da abundância atual de comida, mas isso é outra história), as formas retas das pobres moças famintas são o objeto do desejo de moças demais em nossa sociedade, que, em comparação, acham “enormes” seus próprios corpos normais.

Mas talvez esse desejo não seja consciente, e sim fruto automático de uma adaptação às imagens que a mídia torna usuais. Segundo um estudo alemão publicado recentemente na revista “Human Brain Mapping”, ver corpos magros faz o cérebro se adaptar e passar achar corpos “normais”… gordos.

Adaptação é um fenômeno comum no cérebro, que ocorre conforme a exposição prolongada a um mesmo tipo de estímulo faz diminuir a atividade dos neurônios em resposta a uma nova exposição a um estímulo semelhante. É um processo de adaptação que faz, por exemplo, com que o som inicialmente ensurdecedor de uma boate aos poucos pareça “normal” aos nossos ouvidos.

Pois a percepção corporal também é facilmente manipulada por adaptação. E, de acordo com o estudo alemão, a adaptação não é “racional”, mas sensorial, pois acontece já no córtex fusiforme, uma das primeiras regiões do córtex cerebral que processa de maneira integrada a forma corporal.

Usando computação gráfica para fazer seus voluntários emagrecerem até seis quilos, os pesquisadores notaram que a exposição por alguns minutos à própria imagem emagrecida é suficiente para fazer o córtex fusiforme se adaptar e convencer o resto do cérebro a perceber o próprio corpo real como mais gordo do que na prática. Daí a concluir que o desfile de corpos esqueléticos na mídia convence o cérebro das espectadoras a automaticamente achar enorme o próprio corpo normal é só um pulinho.

Como se achar normal, então? Fácil: vendo corpos normais. Praia serve, mas lembro do melhor choque de realidade que eu podia ter recebido na adolescência: o chuveiro comunitário do vestiário feminino na universidade, após a aula obrigatória de educação física. Um santo lembrete de que anormais são as pobres moças chamadas “modelos”…

Via Folha de São Paulo

 

E você, o que pensa a respeito?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s