Arquivo da categoria ‘Política’

PELO DIREITO DE DISCORDAR!
Por Ariovaldo Ramos

Fui advertido de que nesse momento, que estamos vivendo na Igreja evangélica brasileira, discordar do Presidente do CDHM, em exercício, é concordar com o movimento GLBTS, e vice versa.

Discordo!

Eu respeito o irmão e oro por ele, mas, discordo da forma como o Deputado está conduzindo o mandato que recebeu de seus eleitores.

Eu respeito os seres humanos que optaram pela homossexualidade, mas, entendo que os direitos que estão a reivindicar já estão contemplados nos direitos da pessoa humana, cobertos por nossa constituição, e que o que passa disso constitui reclamos por privilégios, o que não é passível de ser concedido numa democracia, sob pena de contradize-la.

Eu respeito o direito das uniões homossexuais terem garantida, pelo Estado, a preservação do patrimônio, por eles construídos, quando da separação ou do falecimento de um dos membros da união. Entretanto, discordo que seja possível transformar uma união voluntária de duas pessoas do mesmo sexo, a partir de opção comum e particular, em casamento, pois isso insinua haver um terceiro gênero na humanidade, o que não se explicita na constituição do ser humano. Assim como não entendo que a conjunção da maternidade e da paternidade, necessária para um desenvolvimento funcional do infante humano, seja substituível por mera boa vontade.

Eu respeito e exerço direito de pregar o que se crê, mas discordo do pregador, quando diz que Deus matou John Lennon ou aos Mamonas Assassinas, por terem desacatado o Altíssimo, como se o pecado humano não o fizesse desde sempre. A Trindade matou a todos os que a desacatam, em todo o tempo, no sacrifício do Filho, manifesto por Jesus de Nazaré (1Pe 1.18-20), na Cruz do Calvário, oferecendo a todos o perdão e a ressurreição.

Eu respeito o direito de ter religião e o reivindico sempre, mas, discordo de taxar como agentes do inferno quem não concorda com o que penso, como se Deus, por sua graça, não estivesse, desde sempre, cuidando que a raça humana não sucumbisse à rebeldia inerente à sua natureza, o que explica o triunfo do bem frente a maldade explícita. Por isso discordo do pregador quando afirma que o sucesso de um artista, a quem Deus, por sua graça, cumulou de talentos, como Caetano Veloso, só se explique por ter feito pacto com o diabo. Como se ao adversário de nossas almas interessasse qualquer manifestação do Belo.

Eu respeito e pratico o direito ao livre exame das Escrituras Sagradas, conquistado pela Reforma Protestante, e, por isso, enquanto respeito o direito do teólogo expressar suas conclusões, discordo do teólogo quando suas considerações sobre o significado de profecias do texto que amo e reverencio, não corresponderem ao que entendo ser uma conclusão pautada pelas regras da interpretação bíblica, assim como, no meu parecer, ferirem a uma das maiores revelações desse Livro dos livros: Deus é Pai de todos, está em todos e age por meio de todos (Ef 4.6).

Reconheço a qualquer ser humano o direito de protestar contra o que não concorda, mas, nunca em detrimento do direito do outro, o que inclui o direito ao culto. Uma coisa é discordar do político outra coisa é cercear o direito do religioso, e de quem o convide para participar de um culto da fé que pratica. Uma coisa é denunciar o político por suas posturas, outra, e inadmissível, é atentar contra a integridade física ou emocional dele e dos seus.

Não admito, contudo, como cristão, ser sequestrado no direito de discordar, ou ser tratado como se fosse refém das circunstâncias, sejam elas quais forem. Foi para a liberdade que Cristo nos libertou (Gl 5.1).

Lamento que haja, entre os cristãos, quem trate a nossa fé como se fosse frágil e necessitada de proteção. Nossa fé foi preponderante na construção do Ocidente, e resistiu às mais atrozes perseguições.

Nós sempre propugnamos pela liberdade. Nós impusemos a Carta Magna ao Principe John, na Inglaterra; construímos o Estado Laico na revolução americana, quando, numa nação majoritariamente cristã, todas as confissões religiosas foram tidas como de direito. Nós lutamos entre nós pelo fim da escravidão, seja na guerra da Secessão, seja por meio de Wilberforce, premier Inglês, e de tantos outros movimentos. Nós denunciamos e enfrentamos os que entre nós quiseram fazer uso da nossa fé para legitimar a opressão. Os maiores movimentos libertários nasceram em solo cristão, e mesmo quando renegavam ao que críamos, não havia como não reconhecer a nossa contribuição à emancipação humana.

Nós construímos uma sociedade de direitos, lutamos por e reconhecemos direitos civis, e não podemos abrir mão disso; não podemos abrir mão da civilização que ajudamos a construir e a solidificar, onde mulheres, homens e crianças são protegidos em sua integridade e garantidos em seus direitos. Na democracia que ajudamos a reinventar, onde cada ser humano vale um voto, tudo pode e deve ser discutido segundo as regras da civilidade.

Nossa fé foi construída por gente que foi a toda luta que entendeu justa, pondo em risco a própria vida, e por mártires, por gente que se recusou a matar, por gente que não capitulou diante do assassínio, pois nós cremos que Deus é amor, e que o amor de Deus é mais forte do que a morte (Rm 8.38). E por amor a Deus e ao seu Cristo lutamos pela unidade e pela liberdade da humanidade.

Anúncios

Próximo!!!

Publicado: 2012/09/07 em Interessante, Política

20120907-103355.jpg

GB.

Via facebook

Nosso folclore!!!

Publicado: 2012/08/28 em Humor, Política

20120828-133029.jpg
Só existe sací, curupira, boitatá e mula-sem-cabeça!

Via facebook

Brasileiro…

Por Arnaldo Jabor

– Brasileiro é um povo solidário. Mentira. Brasileiro é babaca.

Eleger para o cargo mais importante do Estado um sujeito que não tem escolaridade e preparo nem para ser gari, só porque tem uma história de vida sofrida;

Pagar 40% de sua renda em tributos e ainda dar esmola para pobre na rua ao invés de cobrar do governo uma solução para pobreza;

Aceitar que ONG's de direitos humanos fiquem dando pitaco na forma como tratamos nossa criminalidade…

Não protestar cada vez que o governo compra colchões para presidiários que queimaram os deles de propósito, não é coisa de gente solidária.

É coisa de gente otária.

– Brasileiro é um povo alegre. Mentira. Brasileiro é bobalhão.

Fazer piadinha com as imundices que acompanhamos todo dia é o mesmo que tomar bofetada na cara e dar risada.

Depois de um massacre que durou quatro dias em São Paulo, ouvir o José Simão fazer piadinha a respeito e achar graça, é o mesmo que contar piada no enterro do pai.

Brasileiro tem um sério problema.

Quando surge um escândalo, ao invés de protestar e tomar providências como cidadão, ri feito bobo.

– Brasileiro é um povo trabalhador. Mentira.

Brasileiro é vagabundo por excelência.

O brasileiro tenta se enganar, fingindo que os políticos que ocupam cargos públicos no país, surgiram de Marte e pousaram em seus cargos, quando na verdade, são oriundos do povo.

O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado ao ver um deputado receber 20 mil por mês, para trabalhar 3 dias e coçar o saco o resto da semana, também sente inveja e sabe lá no fundo que se estivesse no lugar dele faria o mesmo.

Um povo que se conforma em receber uma esmola do governo de 90 reais mensais para não fazer nada e não aproveita isso para alavancar sua vida (realidade da brutal maioria dos beneficiários do bolsa família) não pode ser adjetivado de outra coisa que não de vagabundo.

– Brasileiro é um povo honesto. Mentira.

Já foi; hoje é uma qualidade em baixa.

Se você oferecer 50 Euros a um policial europeu para ele não te autuar, provavelmente irá preso.

Não por medo de ser pego, mas porque ele sabe ser errado aceitar propinas.

O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado com o mensalão, pensa intimamente o que faria se arrumasse uma boquinha dessas, quando na realidade isso sequer deveria passar por sua cabeça.

– 90% de quem vive na favela é gente honesta e trabalhadora. Mentira..

Já foi.

Historicamente, as favelas se iniciaram nos morros cariocas quando os negros e mulatos retornando da

Guerra do Paraguai ali se instalaram.

Naquela época quem morava lá era gente honesta, que não tinha outra alternativa e não concordava com o crime.

Hoje a realidade é diferente.

Muito pai de família sonha que o filho seja aceito como 'aviãozinho' do tráfico para ganhar uma grana legal.

Se a maioria da favela fosse honesta, já teriam existido condições de se tocar os bandidos de lá para fora, porque podem matar 2 ou 3 mas não milhares de pessoas.

Além disso, cooperariam com a polícia na identificação de criminosos, inibindo-os de montar suas bases de operação nas favelas.

– O Brasil é um pais democrático.. Mentira.

Num país democrático a vontade da maioria é Lei.

A maioria do povo acha que bandido bom é bandido morto, mas sucumbe a uma minoria barulhenta que se apressa em dizer que um bandido que foi morto numa troca de tiros, foi executado friamente.

Num país onde todos têm direitos mas ninguém tem obrigações, não existe democracia e sim, anarquia.

Num país em que a maioria sucumbe bovinamente ante uma minoria barulhenta, não existe democracia, mas um simulacro hipócrita.

Se tirarmos o pano do politicamente correto, veremos que vivemos numa sociedade feudal: um rei que detém o poder central (presidente e suas MPs), seguido de duques, condes, arquiduques e senhores feudais (ministros, senadores, deputados, prefeitos, vereadores).

Todos sustentados pelo povo que paga tributos que têm como único fim, o pagamento dos privilégios do poder. E ainda somos obrigados a votar.

Democracia isso? Pense !

O famoso jeitinho brasileiro.

Na minha opinião, um dos maiores responsáveis pelo caos que se tornou a política brasileira.

Brasileiro se acha malandro, muito esperto.

Faz um 'gato' puxando a TV a cabo do vizinho e acha que está botando pra quebrar.

No outro dia o caixa da padaria erra no troco e devolve 6 reais a mais, caramba, silenciosamente ele sai de lá com a felicidade de ter ganhado na loto…. malandrões, esquecem que pagam a maior taxa de juros do planeta e o retorno é zero. Zero saúde, zero emprego, zero educação, mas e daí?

Afinal somos penta campeões do mundo né?? ?

Grande coisa…

O Brasil é o país do futuro. Caramba , meu avô dizia isso em 1950. Muitas vezes cheguei a imaginar em como seria a indignação e revolta dos meus avôs se ainda estivessem vivos.

Dessa vergonha eles se safaram…

Brasil, o país do futuro !?

Hoje o futuro chegou e tivemos uma das piores taxas de crescimento do mundo.

Deus é brasileiro.

Puxa, essa eu não vou nem comentar…

O que me deixa mais triste e inconformado é ver todos os dias nos jornais a manchete da vitória do governo mais sujo já visto em toda a história brasileira.

Para finalizar tiro minha conclusão:

O brasileiro merece! Como diz o ditado popular, é igual mulher de malandro, gosta de apanhar. Se você não é como o exemplo de brasileiro citado nesse e-mail, meus sentimentos amigo, continue fazendo sua parte, e que um dia pessoas de bem assumam o controle do país novamente.

Aí sim, teremos todas as chances de ser a maior potência do planeta.

Afinal aqui não tem terremoto, tsunami nem furacão.

Temos petróleo, álcool, bio-diesel, e sem dúvida nenhuma o mais importante: Água doce!

Só falta boa vontade, será que é tão difícil assim?

 

DE CABEÇA PARA BAIXO?

Por Nivaldo Nassiff

 
 
“Norway killer Anders Breivik ruled sane, given 21-year prison term”

Esta é manchete da CNN e com certeza a dos principais jornais na manhã de hoje. Como pode um ser-humano (quase humano, pelo mesnos) assassinar 77 pessoas e ficar SÓ 21 anos na prisão. Isto é o mesmo que dizer que ele pegou 3 meses e 27 dias de prisão para cada pessoa que ele assassinou!!! Este cara deveria apodrecer na prisão. Prisão perpétua!!!! Certas coisas nos parecem extremamente injustas, não é verdade? Cadê a condenação dos ladrões do “mensalão”? E o ex-presidente Luiz Inácio da Silva LULA? Por que ele nao foi indiciado e nem mesmo arrolado para explicar a pouca vergonha (vergonha nenhuma) do mensalão? Será que um dia o Lula foi mesmo comunista? Socialista? Social democrata? Pois pra mim, é o maior dos capitalistas apaixonado pelo luxo e pela extravagância que eu já vi em qualquer governo do Brasil. Logo de cara trocou de avião. E que avião!!!!. Viajou mais pelo planeta terra do que qualquer comissário de bordo de voos internacionais. E quando em casa, na Granja do Torto (que nome apropriado para o que não é reto), parecia um aposentado cuidando de galinhas, porcos e pavões de rabo arrebitado. A Granja do Torto poderia se chamar “Sítio do Picapau Amarelo”, onde tudo acontece. Espiga de milho fala e adora um “milhãozinho” ou dois. Porco fala e engorda no sítio encantado. Saci pererê vive aprontando e o dono da Granja” NUNCA sabe de nada! Lembra-se da “Casa da Dinda”? A propriedade de 13 mil m² foi alvo do paisagista José Roberto Nehring, dono da Brasil's Garden, que plantou ao redor da mansão 200 árvores de grande porte e outras 40 frutíferas. Mas sem dúvida o maior destaque ficou por conta das portentosas e polêmicas cachoeiras motorizadas, inseridas em meio a lagos artificiais. Sem falar de um lago do jardim que recebia água filtrada e oxigenada do Lago Paranoá, antes de chegar às carpas japonesas. Alguém ainda lembra disto? Acho lindo o Brasil exportar conhecimento medico para a Argélia, que está se desenvovendo na medicina… Mas não acho nada bonito encontrar na maioria dos postos de saúde do Brasil, médicos Bolivianos em treinamento. Nada contra os estudantes internacionais estudando no Brasil. Mas porque os brasileiros não estão atuando lá? Porque os salários são miseráveis e ninguém quer se sujeitar? Entonces que los hermanitos vayan, pues! Oito meses de espera para realizar um exame laboratorial. E depois, saber que o posto de saúde não tem remédios para distribuir. O salário exorbitante de um bando de vagabundos (não todos) de politicos que não fazem absolutamente NADA em favor do povo, do progresso, dos professores, dos policiais, dos sistemas de saúde pública; é uma afronta ao meu exercício de cidadania. Vamos dar o salário dos professores para os vereadores e deputados. Vamos dar o salário de policial militar para deputados federais e ministros. Vamos ver quanto estes cabras amam mesmo o povo do Brasil. Então, me deparo com a manchete do assassino norueguês e me frusto horrivelmente, pois ainda creditava no bom senso de países tão desenvolvidos. “Sobreviventes dos atentados, familiares das vítimas e políticos se mostraram nesta sexta-feira (24) satisfeitos depois que o tribunal de Oslo condenou o extremista Anders Behring Breivik a 21 anos de prisão, com possibilidade de prorrogação da pena, pelos ataques que causaram a morte de 77 pessoas há um ano na Noruega” (Folha de São Paulo 24/Agôsto/12). Que decepção! Será que é assim mesmo? Tudo de ponta cabeça? Ou será que sou quem quem anda de cabeça para baixo? E não me venham, os religiosos de plantão, com chavões, tais como: “vamos orar”, “Deus fará justiça”, “precisamos ter fé”, e outros tantos similares… Não estou convencido de que o Senhor fará qualquer coisa para a qual já nos tenha dado recursos e capacidades para que nós o façamos. Nenhum politico ruim, corrupto ou vagabundo, poderia ser re-eleito para um segundo mandato. Errou no primeiro? Fora pra sempre da política!!! Por que os brasileiros gostam mais de múmias do que os Egípcios? Tem uns caras podre de ricos, múmias as quais ninguém os avisou que já morreram, pois se alguém os avisasse, bastaria os tais tombarem por sí mesmos, atuando ainda em Brasília!!! Somos campeões em achar craques de futebol nas escolinhas dos clubes. Porque não encontramos, nem criamos, craques da política nas universidades? Onde estão os verdadeiramente VOCACIONADOS para servir o povo? Onde estão os jovens progressitas, honestos, estudados, envolvidos com as causas públicas, legitimados pelo povo, para assentarem-se nas cadeiras do exercício da SERVIDÃO ao povo do Brasil? Como eu gostaria de ver um governo composto por gente que desde sua juventude esteve envolvido com as lutas legítimas pelo povo. Como gostaria de ver jovens com pós-doutorado administrando o Brasil com inteligência, ciência e planejamento a médio e longo prozao. Como gostaria de ver um governo investindo tufos e tufos de dinheiro na pesquisa científica, na busca de soluções não só sustentáveis, mas também, vestidas da vocação regional dos diferentes “chaos” do Brasil. O Brasil é rico em minério como nenhum outro pais do mundo. É rico na diversidade biológica (cuidado, os alemães e suiços estão comprando todas as fazendas da Amazônia e já mudram o mapa do Brasil lá na Alemanha, pois chamam a Amazônia de “território Yanomami) como nenhum outro. É rico em recursos naturais (aquífero Guarani, p.explo.; mas cuidado, pois os árabes (maioria de muçulmanos) estão comprando todas as terras dantes pertencentes a alemães e italianos, no sul do Brasil…os árabes gostam de água. Hoje a maior preocupação com ataques terroristas está examente no setor da potabilidade da água) como nenhum outro. Podemos (e penso é nosso dever ser) ser a nação que vai aliemntar o Planeta em recursos naturais, materia prima para tudo, alimentação e soluções sustentáveis que desembocarão numa melhor qualidade de vida, primeiro para o povo brasileiro e então, para o resto do mundo. Mas, se não coeçarmos agora a, pelo menos aprender a votar, não avançaremos muito não. Pense nisto. Deus o abençoe.

Via www.facebook.com/nivaldonassiff

“Bem aventurados os que tem fome e sede de justiça” Jesus de Nazaré

N'Ele no qual vivemos!

GB.

 

Tempo, tempo

Publicado: 2012/08/13 em Política

Caetano Veloso

Marina Silva

A política chega ao “miolo do vulcão” e seus agentes parecem o avesso de Midas: aspiram produzir os grandes relatos da história, mas tudo o que tocam, como ironizou Peter Sloterdijk, resulta algo “involuntariamente pequeno”.

O julgamento, na mais elevada corte, de uma denúncia de corrupção, conhecida como mensalão, em vez de firmar os pesos na balança da Justiça mais parece atiçar a fogueira das vaidades e reforçar os vícios que lhe deram origem.

Uma CPI que deveria punir a continuidade renitente dos esquemas criminosos no Estado e estancar a cachoeira da corrupção vira um show de vergonhas. Ali, os que têm algo a dizer ficam em silêncio e os que não têm gritam.

Uma campanha eleitoral se arrasta nas ruas e se anuncia na TV desconhecendo as cidades e seus problemas para focar-se na disputa de poder, com alianças, discursos e marketing que lembram uma liquidação no comércio varejista.

Tudo o que minha geração batizou de “velha política” mostra sua capacidade de agarrar-se nas estruturas materiais e mentais e dali contaminar todo o organismo do país.

Assim, se uma lei de proteção às florestas pode ser desfigurada para servir ao setor mais retrógado do ruralismo, o passo seguinte é constranger a sociedade e os ambientalistas a largarem seus princípios e propostas e aderirem ao “mal menor”, a versão negociada do retrocesso, como se os ecossistemas funcionassem por acordos políticos.

E há quem especule com o destino do Movimento Nova Política, visto na ótica do poder como uma “articulação para criar um novo partido”, como se nesse ambiente de política “em tempos do cólera” não caibam mais ideais sinceros.

Como em uma fita moebios, onde não se distingue dentro e fora, qualquer ação ou palavra é interpretada como parte do jogo, dar ou negar apoio a candidatos, ocupar espaço, afirmar-se na disputa.

A esperança se guarda e se renova na imprevisibilidade de nós mesmos, pois para além de nossas narrativas diminutas há sempre a grandiosidade dos muitos Brasis que habitamos e dos muitos que nos habitam.

Uma porção generosa criativa e livre completa seus 70 anos de vida mantendo a alegria e a esperança da juventude.

Caetano e uma geração inteira, de Gil e Milton e Chico e tantos brasileiros que promoveram um ideal de conhecimento ético e estético que não pode se perder, não vai se perder nem diminuir.

A grandeza da alma brasileira, os valores cantados pela nossa exuberante diversidade cultural, todos os tesouros da nossa terra e mais as dádivas que recebemos do céu são as verdades tropicais em que nos afirmaremos para superar, na radical critica de Walter Benjamin, as ‘experiências de pobrezas’ desse nosso tempo, tempo, tempo. Compositor do destino?

fonte: Folha de S.Paulo

foto: Kevin Winter/Getty Images/AFP